domingo, 27 de maio de 2012

MILAGRES SÓ ACONTECEM NO PASSADO



Quando fazia curso de catecismo, ou até mesmo nas aulas de religião na época do colégio, achava curioso quando os padres e os irmãos leigos contavam as histórias bíblicas  sobre os milagres de seus personagens, assim como os dos Santos da Igreja Católica. Eram histórias agradáveis de ouvir: Sansão enfraquecido com um corte de cabelo, Moisés abrindo com um gesto de braços o Mar Vermelho, Jesus Cristo ressuscitando Lázaro, São Francisco conversando com as cotovias, Santo Antonio pondo as cabeças dos peixes fora d’água para ouvi-lo... São tantas histórias, tantas narrativas épicas que me deixava em estado de graça. Contudo, uma pergunta sempre me ocorria: porque esses eventos não acontecem mais? Porque um defunto não mais se levanta sob a ordem de uma apelação divina, porque alguém como Josué não faz mais o sol ficar parado, ou algum tirano tenha reconsiderado seus atos após ter uma visão iluminada de Cristo, assim como acontecera com Paulo de Tarso no caminho de Damasco. Na minha timidez infantil penso que cheguei a perguntar sobre isso, mas as respostas eram insuficientes, reticentes  que se resumiam, proferiam os religiosos – com ar de pedantismo – “aos elementos metafóricos do cristianismo”.
Penso que essa indagação me perseguiu e ainda me persegue até a minha vida adulta, contudo, não mais na religião, mas em outras formas de conhecimento.  Pude perceber mitologias, histórias épicas freqüentar várias biografias e vários saberes, mas uma delas, especialmente, chamou-me atenção: a Mitologia da Psicanálise Institucional. Adianto que sou um admirador e entusiasta da teoria e da prática psicanalítica, contudo, ao freqüentar uma Instituição, em especial um grupo de estudos, pude fazer algumas reflexões. Essas reuniões fazem lembrar alguns encontros religiosos, na verdade,  misturam-se neles elementos de várias crenças, desde a “mesa branca”  à cerimoniosidade católica - poderia acrescentar alguns itens exotéricos, mas iria me alongar bastante.
Na penumbra os integrantes do grupo, antes de se sentarem, curvaram-se e acenaram com a mão em direção ao “mestre”, um psicanalista de barbas e óculos freudianos, que balançou positivamente a cabeça ao perceber minha presença, o novato. Como numa missa, havia na sala um  livro de capa dura, grosso e aberto como uma Bíblia, rodeado de cadeiras onde sentariam os integrantes do grupo -  pessoas de vozes serenas, escrupulosas, com os semblantes de que estavam prestes a viver ou reviver às cenas de “revelações” dos quadros renascentistas. O sacerdote freudiano, paradoxalmente, encontrava-se sentado de maneira despojada numa poltrona, e ouvia as nossas palavras de olhos fechados como se fossem as nossas confissões, os nossos pecados.  Quando alguém anunciou a minha presença, formalizando-me como novo integrante, o senhor abriu os olhos e com severidade, indagou-me: “tudo bem contigo?”. Não sabia o que responder, mas uma das integrantes quebrou o silêncio com sorriso agudo e apontando-me na estante, os livros de interesse da psicanálise e me disse: “aqueles são os trabalhos d’Ele, e esses são de seus discípulos” – Freud tinha discípulos, seguidores e, inclusive, um Judas Iscariotes. Jung ao ser citado por duas vezes provocou um mal-estar generalizado com olhares repulsivos, esconjuros labiais, e invisíveis gestos de sinal-da-cruz.
 A reunião, em tom monótono, era entrecortada pelas palavras “genialidade”, “interpretação”, “resistência”, “inconsciente”, "Sujeito" e “cura”. Cura? Essa palavra me chamou atenção: Freud analisava seus pacientes e em meses, poucos meses, estavam todos curados. No início do século XX, suas fascinantes interpretações, suas reflexões perspicazes navalhavam o mundo dos recalcados e pulverizavam as neuroses, como uma epidemia similar a da febre amarela, e assim como Osvaldo Cruz, apesar de empreender verdadeiros milagres em prol da população, criava um sem número de opositores. Freud foi condenado por mostrar o "mosquito" da sexualidade infantil... Pois foi em meio a essa discussão que fiz uma longa pergunta:
“Com os avanços da psicanálise, com todas essas descobertas maravilhosas no decorrer do século XX, suponho que o índice de cura seja altíssimo e a rapidez na remissão dos sintomas, tenha aumentado”
Não podia cometer tamanha gafe. O mestre disse em tom solene: “o tratamento dura anos a fio, meu jovem, e não podemos prometer qualquer cura ou felicidade. Não cometemos a imprudência da promessa de cura”. Sua voz tenebrosa, repreendia a mim e aos outros que, de cabeças baixas, pareciam se envergonhar das minhas palavras. Uma jovenzinha consolou-me: “Freud é Freud...”. Uma senhora, que parecia dormir, abriu os olhos como se tivesse ouvido um ruído estranho: “meu jovem, o mundo não é mais ingênuo como nos tempos freudianos”.
Frustrado, recolhi minhas ideias e as juntei nas minhas recordações infantis onde os milagres só aconteciam no passado.

Guilherme Saraiva (colaborador - LiteralMente)

4 comentários:

Anônimo disse...

Quem sabe não precisemos mais de milagres e sim de resoluções.

O mestre falou bem em "...não podemos prometer qualquer cura ou felicidade", mas discordo quanto "o tratamento dura anos a fio,..."

O mestre pode esta com alguma distorção cognitiva que Aaron Beck tanto fala.

Ótima postagem; não deixe de postar.
Att, Rafael.

Cayo C. disse...

Seja bem vindo!

Engraçado que sempre me indaguei sobre a mesma questão religiosa.

Bem, fico aqui na duvida se o milagre está no passado, ou só nos livros.

Alice disse...

Milagres? pensava exatamente isso quando assistia às missas e decepcionada com o catoliscismo, fui em busca de outras religios que hoje vejo prometerem ainda mais milagres...
Quanto a Freud, se me recordo bem, já havia previsto que a psicanálise deveria ter um alcance maior e para isso ter reduzido o tempo de análise...Concordo com ele sempre!

Anônimo disse...

Devemos evitar falsas adorações.
Paulina